Novidades Produto Negócio

Entenda a importância do CNPJ

3/3/2018 17:31

Se lembra de quando foi com seus pais criar o seu Cadastro de Pessoa Física (CPF)? Pois é, já faz um tempo. Hoje em dia você é obrigado a lidar com coisas bem maiores, como o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), se quiser empreender.

Não vou ensinar o que você já sabe, que o CPF é um documento que identifica cada cidadão Brasileiro e condensa todas as informações pertinentes sobre ele.

O seu CPF é usado para diversos fins, ao abrir uma conta em banco, solicitar o financiamento da sua casa e do seu carro, ou até mesmo abrir ou se filiar a uma empresa. O seu CPF será consultado todas essas vezes, e várias vezes também.

 

Empresa reconhecida legalmente

É aqui que entra o CNPJ, o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica é uma sequência numérica que a empresa, não importa o tamanho, é cadastrada, e através dele é possível conhecer mais sobre a história dessa organização. Aliás, você pode saber muito sobre uma empresa apenas com o seu CNPJ.

Enquanto você saia de casa para festar a noite escondido dos seus pais, no início dos anos 2000, esse cadastro já estava simplificando a maneira como as pessoas empreendiam.

Antes do CNPJ, o processo era caro e as vezes inalcançável para pequenos empreendedores, antes do CNPJ existir, o dever de registrar empresas era do Cadastro Geral de Contribuintes (CGC).

Esse CNPJ abre as portas do serviço formal e legalizado e tira você, empreendedor, das sombras da informalidade, além de dar mais respeito para o seu negócio crescer e te proporcionar mais chances de trabalho e associação com outras pessoas jurídicas.

 

Crédito bancário como Pessoa Jurídica

Depois de adquirir o seu CNPJ, você pode conseguir mais benefícios em bancos para fazer a sua empresa crescer, ou para qualquer finalidade que seja, já que certas instituições bancárias oferecem vantagens para Pessoas Jurídicas.

Quanto mais tempo você tiver com sua empresa legalmente reconhecida, mais chances você terá de conseguir esses benefícios.

Não dá para enfatizar mais o quanto será bom para você e seu negócio poder sair da informalidade, fazer sua área de trabalho crescer, e ainda continuar trabalhando em casa ou qualquer outro lugar como freelancer, caso você seja MEI, é algo que você com certeza deve considerar.

Depois de tudo o que você viu aqui, não precisa nem pensar mais nos benefícios em ter um CNPJ. Com a criação do Microempreendedor Individual (MEI), em 2009, o CNPJ se tornou mais alcançável, as burocracias diminuíram e os valores também.

Fácil desse jeito, você vai conseguir, online mesmo, realizar a solicitação do seu código como empresa.

Contribuição com a Previdência

Se você ainda trabalha ou já trabalhou na informalidade durante algum tempo, já deve ter pensado sobre a aposentadoria, ou como você conseguirá se aposentar.

A menos que você faça contribuições para uma previdência privada, a aposentadoria não será possível. Com o CNPJ, em especial, o de Microempreendedor Individual, você já passa a contribuir com o a sua futura aposentadoria.

Além disso, você também terá o benefício de auxílio-maternidade e auxílio-doença. Com esse CNPJ, você poderá trabalhar para diversas outras empresas, ter mais chances de contrato de serviços ainda estar dentro da lei recebendo os benefícios de uma Pessoa Jurídica.

 

Permissão para emitir notas fiscais

Olha aqui ela novamente, não tem como desgruda-la de qualquer assunto de empreendedor. Depois de receber o seu, você conseguirá a famigerada permissão para emitir notas fiscais.

Estes amontoados de “papeis” são representações eletrônicas de comprovantes de serviços prestados ou produtos adquiridos. Apesar do nome “Nota Fiscal”, atualmente, elas são emitidas de forma eletrônica no formato .xml.

Depois que você conseguir emitir notas fiscais, o seu negócio conseguirá mais credibilidade e mais oportunidades de trabalho, já que algumas empresas preferem, ou podem apenas fazer negócio com outras pessoas jurídicas. Se você possuir um CNPJ, poderá ter acesso a essas oportunidades.

 

Atenção ao Imposto de Renda

Nesse ponto você já conseguiu o seu CNPJ, especialmente se for MEI, portanto você precisa lembrar do Imposto de Renda.

Particularmente para o MEI, emitir a declaração do Imposto de Renda não é obrigatória e possui certas “letras miúdas” que você precisa se atentar.

Além disso, os valores dos impostos pagos pelo MEI são menores e fixos de acordo com a linha de atuação da empresa. Existem linhas pré-definidas as quais o seu negócio deve se encaixar.

Além deste valor mensal, você deve emitir uma declaração anual dizendo qual foi o tamanho do seu faturamento no ano anterior. Essa declaração é a Declaração Anual do Simples Nacional do MEI (DASN-SIMEI) e você deve entrega-la até o dia 31 do mês de maio.

 

Com o CNPJ pronto

Agora, depois que você passar toda a burocracia, vai poder começar a desfrutar dos benefícios que você leu neste artigo.

O seu CNPJ será o resultado do seu trabalho para se tornar um empresário legalizado e contribuinte dos impostos do seu país. O CNPJ é motivo de orgulho para você e sua empresa.

E com o passar do tempo, essa sequência de números irá acompanhar você e sua empresa, desde a primeira unidade, até as várias filiais que você já está planejando abrir.

Mais do blog

Achamos que você também pode se interessar por: